topo

Postado em 09 de Abril às 08h02

ABIGRAF contra a tributação e em defesa do livro

"Livros não são produtos de elite e o papel do governo deveria ser o de torná-los cada vez mais populares e acessíveis"

A notícia de que nesta semana a Receita Federal publicou documento com perguntas e respostas sobre a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços, que pode substituir PIS e COFINS na Reforma Tributária), onde defende que os livros passem a ser taxados pelo novo tributo em 12% causou enorme desconforto à Indústria Gráfica Brasileira.

Por isso a Associação Brasileira da Indústria Gráfica - ABIGRAF, volta a público para fazer coro e se juntar, mais uma vez, à sociedade civil, que por meio de instituições acadêmicas, da cadeia produtiva do livro, de artistas, intelectuais e escritores e agora também da Ordem dos Advogados do Brasil, já manifestou seu descontentamento e repúdio a qualquer tentativa de retorno da taxação de livros, sejam eles didáticos ou não. Livros são isentos de impostos desde a Constituição de 1946. Desde 2004, através da Lei 10.865, são isentos também da incidência de PIS e COFINS ao serem comercializados. A ABIGRAF - Associação Brasileira da Indústria Gráfica, manifesta-se novamente solidária ao movimento em defesa do livro.

A Receita Federal usa o argumento de redirecionar os recursos da CBS - eventual substituta de PIS e COFINS - para políticas públicas de incentivo à educação e cultura. Então perguntamos: a não incidência dessas contribuições já não é, por si só, uma política pública de incentivo à educação e cultura?

Entendemos que o aumento do preço dos livros, além de não resolver a questão tributária, vai dificultar ainda mais o acesso à ferramenta mais barata e eficiente de difusão de conhecimento e do crescimento intelectual amplo e igualitário da Nação. Tributar os livros prejudica toda uma cadeia produtiva, que conta com gráficas, editoras, distribuidoras, autores e, principalmente, os leitores. Para além do reflexo econômico da tributação, estará o aumento da desigualdade intelectual e social entre os brasileiros. Livros não são produtos de elite e o papel do governo deveria ser o de torná-los cada vez mais populares e acessíveis.

Não é uma questão política ou econômica. É uma questão de Responsabilidade Social, de Educação. Não estamos sozinhos nessa luta e esperamos que o Congresso ouça a sensata voz daqueles que entendem a importância do livro para a formação de uma grande Nação.

Carlos Augusto Di Giorgio Sobrinho, presidente em exercício da Associação Brasileira da Indústria Gráfica - ABIGRAF.

Veja também

Jornada RH é sucesso e conta com participação catarinense30/09 Realizada nas três últimas quartas-feiras de setembro, a Jornada RH promovida pela ABIGRAF Nacional foi um sucesso, reunindo cerca de 60 participantes por dia, inclusive muitos profissionais catarinenses. No dia 15/09 tivemos a palestra sobre Liderança de Equipe com a Dra. Sandra Regina Bruno Fiorentini, advogada com 33 anos de carreira, há 23 anos atua no Sebrae como consultora de......
FIESC destaca lançamento de livro histórico da ABIGRAF-SC20/09 No último dia 17 de setembro, a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) destacou o lançamento do livro que conta a história da trajetória da Regional Catarinense da Associação......
Two Sides promove segunda fase da campanha Love Paper17/02 A ONG Two Sides está promovendo a segunda fase da campanha Love Paper. Com três novas peças de comunicação, destaca os aspectos positivos de sustentabilidade dos produtos de celulose, com foco no consumo de energia, na origem......

Voltar para Notícias